Tudo que se come, tudo que se reza: Fabricio Brambatti & Tinko Czetwertynski

15 August - 27 September 2019

the photography
is a dead time
fictional return to symmetry
secret desire of the poem
impossible censorship from the poet

(“How to scrape the landscape”, Ana Cristina Cesar)

“Everything you eat, everything you pray” gathers photographs of Fabricio Brambatti and TinkoCzetwertynski, sometimes shot on the same locations, while traveling around Brazil. Starting from opposite sides of the spectrum, they meet at LAMB, in this exhibition that looks back on this trajectory. From lightness to weight, colors to pain, harmony to contradiction.

Fabricio Brambatti is a storyteller, using photography and film to form an opinion on social justice and human rights. Born in Sao Paulo, in a country accustomed to the absurd, he is forced to survive the stories forgotten by the population. Without training in the area, Fabricio began using photography as a narrative tool in 2014. Since then, he has developed two photographic series, “My sweet paradise” that records the search for happiness by marginalized people in the city of São Paulo and “Impossible Brasil", a series that seeks to make a portrait of Brazil from the perspective of a cursed and blessed place at the same time.

IMPOSSIBLE BRAZIL
Brazil, I want you so much but I'm afraid. I love you, I wish you, but I hate you deap down.
I don't see the wonderful future I see with you.
With wreckage and trauma you created this damn paradise.
I no longer know if my heart can take you anymore. My Impossible Brazil.


Tinko Czetwertynski was born in Belgium and lived a colorful childhood in countries like India, Brazil and Lebanon.Today he lives in São Paulo and is building a series of works such as 64T and BRASIL Series, traveling around the country. Having spent a lot of time in Brazil over the last ten years, Tinko has been gradually building a collection of images that capture the spirit of this fascinating corner of the world. With all its beauty, magic, humor, contradictions and harsh realities, what emerges is a representation of a vibrant and touching country. Taken thousands of miles away, the portrait of an Indian girl bathing in her favorite river deep in the Amazon resonates with the image of a boy on the beach of Bahia standing by a fire. And this resonance grows with each image to give us a glimpse of the soul of the country, from the photographer's gaze.

64T
Also an ongoing series, named after the (expired) tungsten film used. They are plants that, like the film, are living a chemical process of decay that brings unexpected beauty to the images it produces. Airing in London, Paris and New York, the series continues to grow as the photographer looks for new subjects during his travels.

____________________________________________________________________________________

a fotografia

é um tempo morto
fictício retorno à simetria
secreto desejo do poema
censura impossível
do poeta
(“Como rasurar a paisagem”, Ana Cristina Cesar)

Tudo que se come, tudo que se reza” reúne fotografias de Fabricio Brambatti e TinkoCzetwertynski, por vezes clicadas nos mesmos locais, enquanto viajavam pelo Brasil nos últimos anos. Partindo de lados praticamente opostos do espectro, eles se encontram na LAMB, nessa exposição que faz uma retrospectiva dessa trajetória. Da leveza ao peso, das cores às dores, da harmonia à contradição.

Fabricio Brambatti é contador de historias, usa a fotografia e o cinema para formar opinião sobre justiça social e direitos humanos. Nascido em São Paulo, em um país acostumado com o absurdo, se vê obrigado a dar sobrevida à historias esquecidas pela população. Sem formação na área, Fabricio começou a usar a fotografia como ferramenta de narrativa em 2014. Desde então, desenvolve duas series fotográficas, “Meu doce paraíso” que registra a busca de felicidade por pessoas marginalizadas na cidade de São Paulo e “Brasil impossível”, série que procura fazer um retrato do Brasil na perspectiva de um lugar maldito e abençoado ao mesmo tempo.

BRASIL IMPOSSÍVEL
Brasil, te quero tanto mas tenho medo. Te amo, te desejo, mas te odeio do fundo. 
Não enxergo o futuro maravilhoso que vejo com você. 
Com destroços e traumas você criou esse paraíso maldito.
Eu já não sei se meu coração te aguenta mais. Meu Brasil Impossível.

Tinko Czetwertynski nasceu na Bélgica e viveu uma infância colorida em países como a Índia, Brasil e Líbano. 
Hoje vive em São Paulo e está construindo uma série de trabalhos como 64T e Série BRASIL, em viagens pelo país.
Tendo passado muito tempo no Brasil nos últimos dez anos, Tinko tem construindo gradualmente uma coleção de imagens que capturam o espírito deste fascinante canto do mundo. Com toda a sua beleza, magia, humor, contradições e duras realidades, o que surge é uma representação de um país vibrante e tocante.
Tiradas a milhares de quilômetros de distância, o retrato de uma menina indígena tomando banho em seu rio favorito, nas profundezas da Amazônia, ressoa com a imagem de um menino na praia da Bahia em pé ao lado de um incêndio. E essa ressonância cresce com cada imagem para nos dar um vislumbre da alma do país, pelo olhar do fotógrafo.

64T
Também uma série em andamento, nomeada após o filme de tungstênio (expirado) usado. São plantas, que assim como o filme, estão vivendo um processo químico de decadência que traz uma beleza inesperada para as imagens que produz. Exibidas em Londres, Paris e Nova York, a série continua crescendo na medida que o fotógrafo procura novos assuntos durante suas viagens.